A transexualidade representada nas telas

Por em quinta-feira, 21 maio 2015
transexualidade-nas-telas

Quem são os transgêneros? Acima de tudo, são seres humanos. Humanos estes que são alvo de preconceito de maiorias, minorias e até da própria comunidade. Desconstruindo a palavra “transgender”, esse ‘trans’ vem do latim ‘trāns’, que entre outras coisas quer dizer ‘through’ e ‘beyond’. Ou seja, vai ‘além’ da forma bi-normativa que nos é imposta pela sociedade em que vivemos.

Simplificando: Transgêneros são pessoas que não se identificam com o gênero designado pelo nascimento. Por exemplo, o ex-atleta olímpico Bruce Jenner recentemente revelou que está em processo de transição, pois se identifica como mulher. Porém, pediu que se referissem a ele com pronomes masculinos até o término do processo.

São diversos os preconceitos que rodeiam a transexualidade, muitas vezes provenientes da ignorância. Isso se reflete na mídia de entretenimento, pois, ao tentar escrever personagens transgêneros, pode falhar em representá-los de forma justa. Separamos neste artigo ambos bons e maus exemplos da imagem de transgêneros nas telas, contando com os comentários do jovem cineasta, e homem trans, Bartolomeu Luiz.

Candis Cayne

Transexualidade telas: Candis Cayne

Candis é uma das mais procuradas atrizes transexuais dos Estados Unidos. Após sua transição, ela estava preocupada pois não sabia se conseguiria voltar a atuar. Porém toda essa preocupação se mostrou à toa. Ela encarnou a personagem de Carmelita Rainer no seriado Dirty Sexy Money da ABC, em 2007. Mesmo extasiada com a oportunidade, Candis revelou que deseja um dia poder atuar como mulher e ponto, sem sempre ser categorizada.

Bartolomeu: A resposta de Candis remete exatamente ao mesmo ponto de por que tentamos rotular pessoas. São atores interpretando papéis. Não deveríamos dar premiações para os mesmos transgêneros por representarem cisgêneros?

Laverne Cox

Transexualidade telas: Laverne Cox

“Algumas pessoas, elas simplesmente não entendem. E elas precisam nos conhecer como seres humanos. Outros sempre serão contra nós. Mas eu realmente acredito na humanidade e na capacidade das pessoas de amar e mudar”, é o que a atriz e apresentadora trans, Laverne Cox, tem a dizer sobre seu ativismo LGBT.

Laverne tem uma coleção de conquistas. Dentre elas, a de primeira pessoa transexual a ser nomeada a um prêmio Emmy, na categoria de melhor atuação por seu trabalho na série Orange Is The New Black. Laverne interpreta a encarcerada Sophia Burset, uma mulher trans numa prisão feminina.

Bartolomeu: Laverne é a face da conquista de muitas minorias do mundo, como trans e negra. A atriz acabou de fazer história na capa da Time Magazine, além de ser a primeira atriz trans a ter um papel principal, na série-piloto ‘Doubt’.

Transparent

Transexualidade telas: Transparent

Em inglês, “transparente” na verdade é um jogo de palavras, pois o protagonista da série é pai e se assume transexual: trans(exual) + parent (pai). O ator que interpreta Maura Pfefferman, uma mulher trans, é Jeffrey Tambor, que na vida real é homem cisgênero (se identifica com o gênero designado a ele ao nascer) e hétero. Porém, a showrunner de Transparent, Jill Solloway, afirma favorecer a contratação de atores e equipe trans, tendo por volta de 20 no elenco principal e mais de 60 como extras.

Este é um tópico incessantemente discutido na comunidade LGBT: o casting de cisgêneros para interpretar transgêneros. Eddie Redmayne se viu em meio a essa discussão quando foi escalado para interpretar uma mulher trans no filme The Danish Girl, de estreia prevista para novembro de 2015. A justificativa que deram foi de que o filme mostrará a transição do masculino para o feminino, portanto não haveria como uma mulher trans interpretar este papel por causa dos hormônios tomados.

Bartolomeu: O ator Jeffrey Tambor, ao receber a estatueta por melhor ator no Golden Globes, fez um discurso emocionado agradecendo a toda a comunidade trans por aceitá-lo ali e deixá-lo representar, sabendo que há outras pessoas melhores para o papel. Essa realização foi completamente diferente do ganhador do Oscar e ‘bonitão’ Jared Leto, que não mencionou a comunidade que estava representado. A questão da representação de atores cisgêneros sobre pessoas transgêneras é simplesmente um único ponto: transgênero nunca é chamado para representar uma pessoa cisgênero, porque deveria ser o contrário?

As Filhas da Mãe

Transexualidade telas

Essa novela da Globo de 2001 foi pioneira ao retratar uma mulher trans vivida pela atriz cisgênera Cláudia Raia. Apesar da primeira representação transgênera ser algo maravilhoso, nunca antes observado na TV brasileira, a personagem era extremamente falha. Mesmo tratando a estilista transexual Ramona por pronomes femininos, todos a consideravam como homem. Além disso, Ramona também diz a sua família que “virou” mulher quando a encontram depois da transição. Transexuais não passam de um gênero para outro. A transição é meramente física, cabendo a pessoa decidir se usará hormônios e cirurgias para tal. Ela nasceu psicologicamente com tal gênero e isso não se muda.

Bartolomeu: Me abstenho de comentários devido à falta de conhecimento sobre a novela.

Marianna planeja lançar um livro “Eu e Cachorros vs O Patriarcado”. A adaptação para cinema será escrita por ela mesma, já que aspira ser roteirista. Marianna chora em combates corpo a corpo com aranhas.

Comentários