As mulheres coloridas e poderosas de Daiana Ruiz

Por em terça-feira, 22 agosto 2017
daiana-ruiz

Cor, anos oitenta, técnicas pré-coloniais, GIFs, mais cor, animais exóticos e mulheres que marcam presença. A arte da argentina Daiana Ruiz bebe de muitas fontes para entregar um resultado único, que a tornou conhecida entre a nova geração de ilustradores.

Moradora de Buenos Aires, Ruiz acredita que a ilustração é mais fácil de ser trabalhada do que a palavra, justamente por ser uma forma de expressão muito primitiva. Essa “facilidade” permitiu que desenvolvesse sua própria estética. A preferência por cores brilhantes e formas simples apareceu logo, aliada a uma cuidadosa disposição de elementos. Retratando “pequenas coisas exóticas”, seu estilo mistura técnicas digitais e gráficas. Quase sempre, o destaque das criações são figuras femininas.

Dirigindo, dançando, tirando uma selfie. Ruiz quer retratar as mulheres em sua rotina atual, com muita cor e vivacidade – que é como ela as enxerga. Por isso é comum que converta suas criações em GIFs. Estão mais próximos do universo que busca representar.

Ilustrações de Daiana Ruiz

Entre suas referências estão artistas como Matisse, Hockney e Gaugin, mas ela também se inspira na maneira como as artes plásticas maias e astecas especificamente manipulam cores e formas. Talvez por isso suas obras tenham efeito quase hipnótico, é difícil tirar os olhos delas. Outra marca da artista é privilegiar personagens negras e/ou de etnias que fujam ao padrão eurocêntrico.

No que diz respeito à escolha pelo protagonismo feminino em seu trabalho, Daiana esclareceu ao site It’s Nice That: “Tento representar meu ponto de vista e encher o mundo com mulheres fortes, como aquelas com quem adoro sair”.

daiana-ruiz-01

daiana-ruiz-03

daiana-ruiz-04

daiana-ruiz-05

daiana-ruiz-06

daiana-ruiz-07

daiana-ruiz-08

daiana-ruiz-09

Confira as ilustrações de Daiana Ruiz em seu Instagram.

Redatora publicitária, adora qualquer coisa que gere um bom papo. Uma vez, leu que “virar adulto é perder poesia”, e desde então se recusa a deixar de ser criança de vez em quando. Já participou de algumas antologias e escreveu o livro infantil “O Mirabolante Doutor Rocambole”. Amante incondicional de sorvete de pistache.

Comentários