Espetáculo promove passeio reflexivo por casarão tradicional do Rio

Por em quarta-feira, 10 maio 2017
peca-eu-vou-aparecer

Esqueça a estrutura tradicional com palco, cadeiras fixas e uma história linear com início, meio e fim marcados. Encenada pelas ruínas da antiga Biblioteca Popular de Santa Teresa, na região central do Rio, a peça “Eu vou aparecer bem no meio do seu sonho” propõe uma verdadeira experiência teatral, em que o público passeia pelo cenário e pelas angústias dos personagens.

O espetáculo é site-specific, ou seja, foi criado levando em consideração as características do espaço – o casarão construído no início do século passado que, hoje, abriga o Centro Cultural Municipal Laurinda Santos Lobo. O diretor Ricardo Cabral conta que, desde o início, quis montar uma obra que fosse atravessada pela arquitetura. “O prédio da antiga biblioteca não poderia ser um mero acaso, ele precisava ser necessário para o espetáculo”, diz. “Então precisamos investigar diferentes formas de colocar os corpos em relação com tudo: janelas, portas, escadas, paredes.”

Eu vou aparecer bem no meio do seu sonhoFotos de divulgação: Carolina Calcavecchia

Caminhando pelos dois andares da construção, os cinco atores (Anna Clara Carvalho, Chris Igreja, Hikari Amada, Jefferson Santos e Rafael Ribeiro) convidam o público a refletir sobre a relação entre “cativar” e “cativeiro”, duas palavras que têm a mesma raiz, mas significados que parecem distantes. Assistimos a fragmentos das histórias dos personagens que exemplificam a tensão de estar preso a algo – o “piloto automático” da rotina, as notícias, as relações – que não te amarra, mas te seduz.

“Eu olho para mim e percebo que minhas maiores prisões são absolutamente apaixonantes”, reflete o diretor, que afirma se interessar pela tensão nervosa entre os conceitos de cativar e cativeiro. “Em tempos tão deterministas, em que sabemos tudo sobre tudo, é preciso lembrar que as separações não são estanques, que preto nem sempre é preto e branco nem sempre é branco. A realidade é muito mais complexa e essa é justamente a lógica do paradoxo: os opostos convivem dentro de nós, na relação com o outro e na relação com a cidade.”

A equipe reuniu os poucos adereços do cenário por meio de doações. A simplicidade na montagem da peça, segundo Ricardo, foi uma necessidade ética, artística e política. Montar uma temporada em um teatro tradicional, segundo ele, demandaria uma quantia que “não faz sentido” em um momento de sucateamento da cultura no país. “Estamos vivendo em uma sociedade quebrada e, talvez, o melhor a fazer, politicamente, seja um teatro quebrado”, avalia.

Serviço

“Eu vou aparecer bem no meio do seu sonho”
Centro Cultural Laurinda Santos Lobo
Rua Monte Alegre 306, Santa Teresa, Rio de Janeiro (RJ).
Sextas e sábados, às 20h / domingos, às 19h.
De 05 de maio a 25 de junho.
Valor: R$ 30.

Jornalista apaixonada por música, livros e, acima de tudo, por filmes. Adora ouvir e contar histórias, principalmente as mais inusitadas. Gostaria de ser menos viciada em chocolate e internet.

Comentários