Delicadas tragédias nas pinturas de Fernando Balbontín

Por em segunda-feira, 11 agosto 2014
post-img-tragedias-fernando-balbontin

A beleza está em muitos lugares, inclusive nas tragédias. É essa a tese que o chileno Fernando Gómez Balbontín quer provar com a série de pinturas “Thoughts About Life and Death”. Para ele, a morte deve ser encarada como uma coisa natural, pois “negar a morte é negar a vida”.

Fernando mistura tons pastéis com tons brilhantes, especialmente de verde, amarelo, rosa e roxo. Em seus desenhos, geralmente vemos pessoas observando ou simplesmente paradas ao lado de algo que representa destruição – um carro despedaçado, por exemplo. Na série, nem o Papa recebeu uma ajuda divina que o tenha livrado do acidente.

O que mais chama a atenção no trabalho do pintor é que a destruição paira em meio a um cenário que transmite paz. Os céus projetados por Fernando, de cores fora do normal, combinam perfeitamente com os tons da cena, o que causa, ao mesmo tempo, um estranhamento e um conforto.

Na opinião do chileno, aqueles que são capazes de encarar a morte de frente são capazes de se desapegar da matéria, porque entendem que o valor da vida não consiste na acumulação. Retratando a devastação como algo leve e delicado, pelo menos esteticamente, Fernando Balbontín consegue nos fazer refletir sobre a carga que atribuímos às tragédias que, vez ou outra, inevitavelmente acontecem.

Pinturas de Fernando Balbontin 1

Pinturas de Fernando Balbontin 2

Pinturas de Fernando Balbontin 3

Pinturas de Fernando Balbontin 4

Pinturas de Fernando Balbontin 5

Pinturas de Fernando Balbontin 6

Pinturas de Fernando Balbontin 7

Pinturas de Fernando Balbontin 8

Pinturas de Fernando Balbontin 9

Pinturas de Fernando Balbontin 10

Pinturas de Fernando Balbontin 11

Pinturas de Fernando Balbontin 12

Pinturas de Fernando Balbontin 13

Jornalista apaixonada por música, livros e, acima de tudo, por filmes. Adora ouvir e contar histórias, principalmente as mais inusitadas. Gostaria de ser menos viciada em chocolate e internet.

Comentários