Crítica: “O Touro Ferdinando” perde oportunidade e trata tema pesado de forma rasa

Por em quinta-feira, 11 janeiro 2018
critica-touro-ferdinando

Utilizar as touradas como pano de fundo de um filme infantil é entrar num terreno bastante perigoso. Na década de 1930, quando o romance original foi lançado, não era mesmo comum levantar problematizações sobre direitos dos animais, porém, em pleno século XXI, abordar o tema sem levantar essas questões é no mínimo uma oportunidade perdida. E é justamente isso que parece acontecer com O Touro Ferdinando: podendo escolher entre enaltecer a cultura das touradas ou criticá-la, o filme sai pela tangente para não ficar mal com ninguém e acaba contando uma história qualquer recheada de personagens clichês.

O filme é centrado no touro Ferdinando, que não se interessa por violência mesmo tendo crescido numa fazenda que fornece os animais que serão abatidos nas famosas touradas espanholas. Ele logo percebe que seu destino não é ali, consegue fugir e é encontrado por uma família que o cria de forma pacífica. No entanto, ao crescer, ele se torna um grande touro e acaba trazido de volta para o mundo das touradas.

critica-touro-ferdinando-01

Em aspectos técnicos não há o que se dizer, tudo funciona muito bem, mas o filme também não quebra nenhuma barreira. Já a história deixa a desejar. O roteiro é bastante clichê e fraco, os personagens são unidimensionais e a grande maioria só serve como uma ferramenta para avançar no roteiro ou para piadas, que também passam longe da genialidade. É válida, no entanto, uma menção para a cabra Lupe, que consegue arrancar algumas risadas com seu jeito maluco e inusitado.

O que mais incomoda de verdade é a falta de coragem do filme de se impor contra a cultura das touradas. Talvez por achar que as crianças não iriam entender ou talvez para não ficar feio com as pessoas que ainda apreciam essa selvageria. No fim das contas, a história é essa: um touro que não quer ser morto por um toureiro, um argumento pesadíssimo para um filme infantil, mas que é explorado de forma leve e boba.

Talvez eu esteja pegando um pouco pesado com uma animação infantil. Tenho certeza que muitas crianças vão adorar o filme e, durante as férias, é certo que vai atrair muitas famílias. Mas em uma época em que somos surpreendidos a cada lançamento da Pixar e da Dreamworks, que conseguem agradar crianças e adultos, a impressão é que tanto a Blue Sky Studios quanto o diretor brasileiro Carlos Saldanha (de ‘A Era do Gelo’ e ‘Rio’) estão bastante confortáveis se contentando apenas com o feijão com arroz.

Crítica: O Touro Ferdinando pôster

O Touro Ferdinando (“Ferdinand”)

Roteiro: Robert L. Baird, Tim Federle, Brad Copeland.
Direção: Carlos Saldanha
Elenco: John Cena, Kate McKinnon, Bobby Cannavale.
Gênero: Animação, Aventura, Comédia
Duração: 1h48min

Estreia no Brasil: 11 de janeiro de 2018

Publicitário não praticante. Adora vasculhar a internet para ler sobre personagens de quadrinhos que nunca leu e filmes que nunca viu. Ama videogames e cinema e, logicamente, odeia filmes de games ou games de filmes. Escreve para o Afronte sobre games e filmes de cultura pop-geek. Seu sonho é ter uma loja de games e action figures ou se tornar um Mestre Pokemon, o que acontecer primeiro.

Comentários