Crítica: “Monsieur & Madame Adelman” – uma comédia de riso ácido

Por em terça-feira, 25 julho 2017
critica-monsieur-madame-adelman

Protagonistas complexos. Bastidores do universo literário. Humor irônico. Judaísmo. Sexo. Posicionamento político. Enredo intrigante. Deboche(s). Junte tudo isso e o resultado será algo como a comédia dramática francesa Monsieur & Madame Adelman.

Com direção de Nicolas Bedos (que também interpreta o protagonista), o longa traz a história de Victor – escritor iniciante, de esquerda, vindo de uma família tradicional burguesa – e Sarah – jovem desbocada e inteligente, maior inspiração do romancista – que, entre alegrias e crises, conviveram mais de 45 anos juntos.

Crítica: Monsieur & Madame Adelman

O filme se desenrola conforme Sarah, agora viúva, revela a um jornalista os detalhes de sua relação com o ex-marido. Em um relato carregado de humor e ironia, Sarah revisita o primeiro encontro, o começo do relacionamento, o sucesso editorial de Victor, o enriquecimento dos dois, a chegada do primeiro filho e tantos outros eventos que marcaram a excêntrica trajetória do casal.

Apesar de longo, o filme é conduzido com fluidez e astúcia. Os protagonistas – passionais e imprevisíveis – estão sempre prontos para surpreender o espectador com alguma atitude inesperada, um sentimento imprevisto. Família, amigos e colegas de trabalho são meros figurantes na história. O foco é o vínculo entre Victor e Sarah, como o afeto que têm um pelo outro se altera conforme os diferentes momentos de sua trajetória.

O que não quer dizer que os personagens coadjuvantes sejam mal trabalhos. Pelo contrário. Destaque para o pai de Sarah, a mãe de Victor e o cético psiquiatra do mesmo, que o acompanha ao longo da boa parte da vida. Falando em destaques, impossível não elogiar Doria Tillier na pele de Sarah. Dos gestos ao tom da voz, a atriz realmente mergulhou no papel e entregou uma personagem capaz de cativar não apenas Victor, mas qualquer um que a assista.

Crítica: Monsieur & Madame Adelman

Dito isso, é importante ressaltar que a caracterização da protagonista segue a tendência adotada desde a Nouvelle Vague: uma mulher fascinante, liberal, mas, ao mesmo tempo, que se entrega de corpo e alma ao homem (problemático) que ama. Ou seja, mantém-se aquela (nem tão) boa e velha romantização feminina.

Se, por um lado, o longa repete uma fórmula consagrada, por outro acrescenta novos elementos a ela – o que inclui pinceladas bem ácidas em questões como desigualdade e preconceitos sociais, sexismo, paternidade, hipocrisia intelectual, entre outras.

Um filme que faz rir do início ao fim. Com uma leve acidez na risada.

Crítica: Monsieur & Madame Adelman pôster

Monsieur & Madame Adelman (“Mr & Mme Adelman”)

Roteiro: Nicolas Bedos, Doria Tillier
Direção: Nicolas Bedos
Elenco: Doria Tillier, Nicolas Bedos, Denis Podalydès.
Gênero: Drama
Duração: 2h00min

Estreia no Brasil: 20 de julho de 2017

Redatora publicitária, adora qualquer coisa que gere um bom papo. Uma vez, leu que “virar adulto é perder poesia”, e desde então se recusa a deixar de ser criança de vez em quando. Já participou de algumas antologias e escreveu o livro infantil “O Mirabolante Doutor Rocambole”. Amante incondicional de sorvete de pistache.

Comentários