Crítica: LEGO Batman – O Filme

Por em quarta-feira, 8 fevereiro 2017
critica-lego-batman-filme

Depois do grande sucesso de “Uma Aventura LEGO”, a Warner resolveu expandir a franquia – que já fazia um baita sucesso nos videogames e bom… nos brinquedos também. O personagem escolhido não poderia ser melhor que o Batman, o mesmo que aparece em “Uma Aventura LEGO”, e o resultado é hilário! Batman é um dos personagens mais icônicos da cultura pop, de tal forma que ele transcendeu os quadrinhos depois de tantas adaptações, seja em séries ou filmes. E tirar sarro dele desse jeito foi uma tacada de mestre, além de uma baita homenagem a todos que já trabalharam com o personagem.

Crítica: LEGO Batman – O Filme

Nesta interação, o Batman age como qualquer um de nós agiríamos se fôssemos tão incríveis como ele, ou seja, é metido a besta, egocêntrico, espalhafatoso e meio mimado também. Tudo que o Batman original é, mas que não deixa tão na cara assim.

O enredo em si é básico. É a velha história do herói que é tão incrível e acha que pode resolver tudo sozinho, pra depois perceber que todos precisam de ajuda, até mesmo ele. Mas o carisma dos personagens consegue transformar esse clichê em algo interessante. E entre estes vários personagens eu destaco o Robin, que tem as incríveis habilidades do Dick Grayson original, mas com a inocência da criança que é, o que o torna especialmente cativante.

O elenco americano veio recheado de estrelas, com Will Arnet reprisando o papel de Batman e também Michael Cera, Zach Galifianakis, Rosario Dawson e Ralph Fiennes. Já a versão dublada em português conta com o ótimo trabalho de Duda Ribeiro como Batman, Andreas Avancini como Robin, Márcio Simões como Coringa, Guilene Conte como Barbara Gordon e Júlio Chaves como Alfred, além da direção de Guilherme Briggs que também reprisa suas vozes clássicas do Superman e Bane (que está hilário). Faço questão aqui de parabenizar a versão brasileira, que como sempre está espetacular – e o trabalho de adaptação que é bastante inventivo, inserindo piadas que obviamente não estão no original, mas que funcionam muito bem!

Crítica: LEGO Batman – O Filme

O bom de usar o Batman num filme desses é que há possibilidades de piadas para praticamente todos os públicos. Os fãs mais ardorosos dos quadrinhos vão se deliciar com as referências aos vilões mais absurdos que o herói já enfrentou – como o Rei dos Condimentos que eu confesso não saber que era real até escrever essa crítica – enquanto os fãs da carreira cinematográfica do Cavaleiro das Trevas vão morrer de rir com a referência aos Bat-mamilos de “Batman e Robin” (1997).

O filme exagera totalmente todo o conceito do super-herói sem medo de fazer piada com ele, e é essa coragem que deixa o filme incrivelmente engraçado e irreverente, afinal, o que seria da comédia sem coragem, não é? No fim, vale frisar novamente que apesar de todas as piadas e referências o que sobressai mesmo é o respeito com o Batman e toda a sua história.

Crítica: LEGO Batman – O Filme

LEGO Batman: O Filme (“The LEGO Batman Movie”)

Roteiro: Seth Grahame-Smith, Chris McKenna
Direção: Chris McKay
Elenco: Will Arnett (voz), Michael Cera (voz), Rosario Dawson (voz).
Gênero: Animação, Ação, Aventura
Duração: 1h44min

Estreia no Brasil: 9 de fevereiro de 2017

Publicitário não praticante. Adora vasculhar a internet para ler sobre personagens de quadrinhos que nunca leu e filmes que nunca viu. Ama videogames e cinema e, logicamente, odeia filmes de games ou games de filmes. Escreve para o Afronte sobre games e filmes de cultura pop-geek. Seu sonho é ter uma loja de games e action figures ou se tornar um Mestre Pokemon, o que acontecer primeiro.

Comentários