Crítica: “It: A Coisa”

Por em quarta-feira, 6 setembro 2017
critica-it-a-coisa

O anúncio da adaptação de IT – A Coisa foi muito bem recebido pelos fãs de Stephen King, justamente em uma época em que o espírito “anos 80” tem reaparecido na televisão e no cinema. O livro homônimo de King é de 1986 e narra o confronto de um grupo de crianças/adultos contra Pennywise, o palhaço dançarino. Como o filme aborda apenas a primeira parte contada no livro, tentaremos nos ater a esta, por conta dos desavisados que podem não conhecer toda a história.

Crítica: It: A Coisa

“Mas não tem aquele IT, velhão, mal feito que dói? É remake!”. Na verdade, a adaptação de 1990, é uma minissérie. E sim, foi bastante criticada pela “qualidade”, apesar de ser cultuada por muitos. O próprio Pennywise ficou marcado positivamente pela interpretação de Tim Curry. Na versão dos cinemas, o palhaço macabro é interpretado por Bill Skarsgård (é, filho do Stellan, que fez alguns muitos filmes do Von Trier e o irmão do Alexander, o loirão de True Blood).

Apesar do filme estar vendendo uma atmosfera macabra e cheia de sustos, não é isso tudo. Temos aqui um ótimo filme de terror, no estilo Sessão da Tarde, com a turminha do barulho se metendo em altas confusões, lutando contra o monstro malvado! Veja bem, não é uma crítica negativa. Eu particularmente gostei bastante, principalmente porque estou lendo o livro (mal cheguei à metade em 4 dias, porque essa BÍBLIA é gigante) e considerei muito bem adaptado. As divergências são em sua maioria sutis e, convenhamos, estamos numa época em que é difícil criar algo novo e, ressuscitar o passado nem sempre dá certo. A meu ver, “IT” foi bem-sucedido.

Crítica: It: A Coisa

Contando com um elenco infantil divertidíssimo (olá, Stranger Things!), o filme te prende do início ao fim. Obviamente, para quem leu o livro, os pequenos detalhes inseridos no filme se tornam gritantemente melhores. Ainda assim, a história é promissora mesmo para quem não encarou o livrão de King. Em tempo, aplausos para o melhor “defeito” da adaptação: no livro, as fases infantil e adulta dos personagens se passam respectivamente nos anos 50 e 80 (mais precisamente em 1985, um ano antes do lançamento do livro), enquanto no longa, a primeira fase se passa nos anos 80. Isso dá uma gama de possibilidades fantásticas, fazendo com que a “parte 2” aconteça nos anos 2010, sendo algo muito mais palpável para captar um público novo.

critica-it-a-coisa-poster

It: A Coisa (“It”)

Roteiro: Chase Palmer, Cary Fukunaga
Direção: Andy Muschietti
Elenco: Bill Skarsgård, Jaeden Lieberher, Finn Wolfhard.
Gênero: Drama, Terror
Duração: 2h15min

Estreia no Brasil: 7 de setembro de 2017

Largou o curso de Letras Port/Inglês pra trabalhar como Técnico Telecom. O hobbie de DJ virou profissão alternativa e às vezes ganha um trocado com isso. Começou escrevendo resenhas e críticas na internet. Entrou no Afronte pra falar de filmes, mas tem um affair com música, séries e praticamente qualquer assunto. No meio disso tudo ainda arruma tempo pra estudar ADM.

Comentários